terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Atos Impuros

a niguém


Os atos que atuo são ilúcidos,obscuros, densos e profundos
canyons;
A quem apurar seus ouvidos e silenciar por alguns breves instantes,
chegarão sons estranhos:
Sons de cinzas esfregando-se na neve,
Sons de cabelos caminhando descalços,
Sons longínquos demais para que sejam escutados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário