sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Fim de Caso

Pérolas a escorrer de teus braços
Em ondas descontínuas
As lágrimas o tempo há de levar
Para longe de teus olhos (um dia)
Hão de se juntar
Ao amor que já partiu
Sentimos muito
Nos amparamos na farsa das condolências
Em pensar em cotilédones
Ou partir para uma razão
Motivação racional
Do desabrochar de um botão
Ou da queda das pétalas da flor
Que já murchou
Dela, só resta a fragrância
Para ser usada
Por sob as orelhas
Nas noites de Gallery.

Nenhum comentário:

Postar um comentário