domingo, 24 de janeiro de 2010

POEMA QUALQUER EM TRÊS VERSOS

Fui amante de três séculos, passado, presente, futuro, e dos três senti na garganta
O gozo em espasmos regulares, em pulsações vigorosas como as de qualquer mamífero,
E três vezes, ao fazê-los adormecer, fui ao vaso e devolvi ao mundo seu gosto amargo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário