quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

TEMPORA

este tempo
tempo mesmo que nos circunscreve
a tantas monótonas ações
tempo insincero
simulando inscrever em seu ego
a tantas e tantas intenções
é tempo tolo
que finge esgotar em redoma
e engana a si mesmo
dissimulando
sua temporal finitude

este tempo
que se diz conhecer
refluindo
é tempo que,
vindo,
perpassa-se
esgota-se
vaza pelo ladrão
do mundo
e, no fundo,
tudo se passa
como se tudo
não existisse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário