terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

CLIC

Acaba a força, os personagens estacionam. Parados na tela como imagens de vento, de vapor, de cera, estáticas, inertes, sem vida. O garoto faz um muxoxo, ameaça chorar. A mão da mãe sugere que desligue o vídeo, é hora de nanáa. Ai, tá bom, vai! Amanhã será um novo dia, amanhã haverá sol, brinquedos, sorvete no congelador, poeira no tapete da sala.
Clic. As manchas se desvanecem, e o bebê dorme quieto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário