sábado, 27 de março de 2010

O Espelho 051282

O espelho
Que ficava na moldura que ficava
Na parede que ficava no quarto
Que ficava na casa que ficava na rua
Que não ficava.

O espelho
Segredo da Vida e da Morte, essência pura
Refletor infindável, batalha incansável
Um dia se cansou daquele sinal fechado
E parou de viver.

O espelho
Se mandou da mutuca da parafina
Comunicou que faturara umas pernas tortas
Vindo na minha direção todo emocionado
Mascando chiclete.

O espelho
Almejou ser algo na vida escondida
Produzindo intermináveis sons e ruídos
Combinando palavras sem nexo ao acaso
Não aguentou.

O espelho
Quebrou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário