quinta-feira, 15 de abril de 2010

poema triste

na intensidade da poesia mesma,
escrevo uma poesia
que se pretende igualmente intensa

em minha tristeza de tango quieto,
delineio o que bem pode ser
um pedacinho do mundo, um cordãozinho barato.

o ar que respiro enquanto escrevo aqui está,
e contempla o resto do ar
e tudo lhe soa tremendamente indistinto.

em minha tristeza de menino sem doce,
eu olho.

a poesia que se apresenta aqui bem poderia ser
o copo de água ao sedento, brindado
com um sorriso manso.

ela poderia ser um porquinho-da-índia fugitivo
e inquieto, tão esvaziado dos adjetivos
que dele vemos emanar, um a um;

ela poderia ser aquele momento de silêncio.

ela poderia ser o bibelô lançado a um canto,
a xícara de asa quebrada, uma folha desprendendo-se
e tornando ao solo de onde veio seiva, um dia,

ela poderia ser a pergunta boba, a queda, o tropeção,
ou o caminhar sem rumo.

e meu poema triste contempla tantos outros poemas nobres
e resigna-se a comentá-los, fazê-los vistos, para que cada vez mais
a poesia volte ao mundo.

e meu poema triste sorri uma lágrima de embevecimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário