sexta-feira, 28 de maio de 2010

SIGMA

Marginais às águas lamacentas dos ribeirões, existem diamantes.

Com a bateia em punho, perscruta os depósitos de lodo e procura.

Surpreso, se depara com um caco pequeno de vidro fosco, sujo de areia.

Limpa a lama, sua imagem reflete-se emoldurada pelo céu aberto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário