domingo, 6 de junho de 2010

PÓS

Após tudo, me sento e me sinto refletido nas teclas deste piano
E, apesar de tudo e de todas as coisas que poderiam levar-me a ir,
Mergulhar fundo nas terras que cercam este lago, fábula intrínseca
E particular, tranco e cerro as portas de acesso
Afogo-me nesta gafe úmida dedilhando o amor escondido em nós, em
Todos nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário