quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Bestial (Catedral II)

É no Senhor que encontrarei a misericórdia de meus dia
E a sagração de minhas noites
Até à exaustão.
É nele que encontrarei o sussurro do não-dito
E o ritmo supremo de um nada infinito.
É nele que haverá a misericórdia de tudo que sou?
Não sei tampouco se seu abrigo tem a vastidão de suas posses
Ou se, nele estando, brilharei mais forte
Ou serei ofuscado por seu brilho;
Enfim, só sei, Senhor,
Que és incógnita
De questão ausente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário