domingo, 19 de dezembro de 2010

Fenícia (dulce)

descobri-me

sou fenícia, a pagã
demente

em mim, repica um sino
etenerante, funéreo sol
de cada instante.

e de todas as minhas cordas
ressonantes solidárias desse sino demente
cai o orvalho eterno
dos dias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário