quarta-feira, 20 de abril de 2011

Permita-me duvidar

Permita-me duvidar.
Afinal,
É um direito que me assiste.
Constitucional.
Se em sua trilha
Brotarem flores,
Regue-as.
Afinal,
Água é bom e eu gosto.
Nós gostamos.
Afinal,
Todos somos rosas
Amarelas ou violetas.
Tudo é uma questão
cromática.

Ou quase.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Saí

Saí
com um gosto de ternura
nos lábios.

Não soube dizer
Se porquê
Ou se como.

Motivos
Talvez, não sejam
Essenciais.

Tampouco razões.

O que importa
É o grande espetáculo
Que se desenrola
A cada dia.
A vida.

E a ternura
Permanece
Nos lábios já sem cor.

domingo, 10 de abril de 2011

Poema macrobiótico em 5 tempos

1° tempo
Salsinhas piquei
Abóboras, repolhos e batatinhas
Couve-flores refoguei
Com chuchus e tomates madurinhos

2º tempo
Até que concluí
Que nada mais chato que ser vegetariano

3º tempo
Acrescentei miúdos de frango
- Nenhum efeito sustou.

4º tempo
Então resolvi bancar o natural
Viver à luz do Sol.

5º tempo
Desde então,
Um pé de alface sou.

(84/nov.)